Edital Revista Plataformas

A Plataformas será a primeira publicação brasileira dedicada à política de drogas, em suas mais diversas facetas e a partir de uma perspectiva muldisciplinar. Pautada pelos princípios do rigor científico e da relevância política, a Plataformas é uma iniciativa conjunta da Coordenação Científica da Plataforma Brasileira de Política de Drogas e do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e deve ter sua primeira edição ainda no primeiro semestre de 2017. Na sua estreia, a Plataformas trará artigos originais de pesquisadores(as) que foram selecionados em um edital e estão, nesse momento, trabalhando em pesquisas sobre redução de danos, uso terapêutico de maconha e a relação entre mercado de drogas e violência.

Edital para colaboração com a publicação plataformas e para o prêmio PBPD/CEBRAP

A Coordenação Científica da PBPD está lançando o seu veículo principal de comunicação, a Revista Plataformas. Produzida em conjunto com o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento – Cebrap, a Plataformas será editada em formato impresso e digital e não tem o objetivo de ser uma revista exclusivamente acadêmica. A Plataformas espera ser uma publicação conectada às questões mais candentes dos diversos aspectos relacionados à política de drogas no Brasil e no mundo. Seus princípios norteadores são:

A busca permanente pela qualificação do debate público

A promoção do conhecimento e do rigor metodológico

A garantia da pluralidade

A valorização do conhecimento na construção de uma política de drogas solidária, justa e eficaz

A primeira edição da Plataformas veiculará três tipos de artigos:

  • 1.

    Artigos produzidos por pesquisadores(as) vinculados(as) às entidades-membro da PBPD

  • 2.

    Artigos produzidos por pesquisadores(as) vinculados(as) às entidades-membro da PBPD

  • 3.

    Artigos produzidos por pesquisadores(as) vinculados(as) às entidades-membro da PBPD

A Plataformas não terá um formato tradicional de edições regulares. Seu projeto é de tornar público um conjunto de trabalhos por blocos temáticos, de forma a tornar o fluxo de lançamentos mais dinâmico e, assim, alcançar mais impacto no debate. Para sua primeira edição, a Plataformas oferecerá para as melhores propostas de artigos até 4 bolsas, duas delas para pesquisadores(as) vinculados(as) às entidades-membro da PBPD e duas para quaisquer pesquisadores(as) residentes no Brasil. Além das bolsas, a Plataformas também convida pesquisadores(as) para enviarem artigos originais sobre política de drogas e concorrerem ao Prêmio PBPD/Cebrap. Todas as informações sobre como se inscrever nas três modalidades são encontradas a seguir.

O cronograma de publicação será divulgado depois que os processos seleção de artigos estiver finalizado.


Ao longo dos dois anos de existência da PBPD, restou clara a diversidade temática e a riqueza da atuação dos seus membros. No entanto, pelo fato de que nem todos os membros têm atuação direta em questões relativas ao uso e à política de drogas ou mesmo têm experiência na produção de artigos sobre esses temas, a Coordenação Científica da PBPD considerou importante incentivar e apoiar iniciativas nesse sentido. Assim, incentivamos que as entidades-membro, por meio de pesquisadores(as) que interessados em colaborar com esse trabalho, submetam uma proposta de artigo baseado na sistematização e na análise dados e experiências da instituição, grupo ou coletivo e que, quando pronto, possa ser relevantes para o campo de conhecimento a respeito de política de drogas.
Conhecendo as dificuldades financeiras e temporais de muitas entidades-membro, a Coordenação Científica da PBPD concederá uma bolsa mensal de R$ 2.000, por um período de três meses, para as duas melhores propostas de artigo apresentadas por pesquisadores(as) que sejam indicados pela instituição, coletivo ou grupo. Sabemos que as duas bolsas podem não contemplar todas as entidades-membro interessadas na iniciativa, mas a Coordenação Científica está aberta a tentar colaborar de outras formas com aquelas que tenham dados e experiências relevantes para serem sistematizados e analisados. Por isso, é importante que inscrevam suas propostas dentro do prazo.
As instruções e detalhes para inscrever as propostas são apresentadas a seguir:
1. Quem pode se inscrever?
Cada um dos membros da PBPD pode inscrever uma proposta de artigo, que será assinado por até três autores(as). A inscrição se dará por meio da indicação formal entidade-membro, que subscreverá seu apoio à proposta por mensagem de e-mail (plataforma@pbpd.org.br).
2. Como devem ser as propostas?
A proposta deve apresentar o tema geral do artigo, seu recorte empírico – quais dados da instituição, do grupo ou do coletivo comporão seu escopo de análise – e a forma e/ou metodologia empregada para sistematiza-los. As propostas devem ter, no máximo, 7.500 caracteres (com espaços).
As propostas que solicitarem o apoio por meio de bolsa para pesquisadores(as) também devem conter uma justificativa para o pedido, um plano detalhado de trabalho para 3 meses (com cronograma de atuação semanal) e o currículo lattes do(a) autor(a) principal da proposta. É importante ressaltar que só concorrerá à bolsa UM(A) PESQUISADOR(A), mas o artigo final pode ser assinado, ao fim do trabalho, por até 3 autores(as).
3. Quais os temas que os artigos podem abordar?
A Plataformas está aberta a avaliar qualquer tema que os membros considerem relevante para o conhecimento no campo de política de drogas. Ainda assim, como forma de orientar os membros, os temas prioritários da Plataformas são:
• Atenção, cuidado, redução de danos e tratamento de pessoas que fazem uso ou uso problemático de drogas;
• Segurança, violência e encarceramento;
• Legislação e práticas do judiciário;
• Prevalência e padrões de uso de drogas;
• Fenômeno sociocultural do uso de drogas e sua relação com a política de drogas;
4. Como será a avaliação das propostas?
Na primeira fase, as propostas serão analisadas pela Coordenação Científica da PBPD, que avaliará sua viabilidade técnica e temporal. As propostas aprovadas nessa fase e que não solicitem bolsa serão consideradas aprovadas e seu cronograma de desenvolvimento será oportunamente planejado.
As propostas que solicitam bolsas serão avaliadas por dois(uas) pareceristas independentes, especialistas nos campos temáticos da proposta – preferencialmente membros do Conselho Consultivo da PBPD – para uma análise de mérito.
Caso haja mais de duas propostas que requisitem bolsa, as mais bem avaliadas pelos pareceristas serão contempladas. Ajustes e detalhes de execução ficarão a cargo da Coordenação Científica da PBPD.
5. Qual é o prazo para o início e o fim de trabalho dos(as) candidatos(as) selecionados?
Os(as) candidatos(as) selecionados(as) iniciarão seus trabalhos até o dia 20 de setembro, devendo entregar o artigo finalizado para revisão até o dia 20 de dezembro.
6. Quando se inscrever?
As propostas devem ser enviadas até as 23h59 do dia 11 de setembro.
7. Como se inscrever?
As propostas devem ser enviadas pelo representante da entidade-membro em formato PDF para plataforma@pbpd.org.br
8. Qual o formato do artigo final?
Os artigos finais, que serão publicados, devem ter entre 15 e 50 mil caracteres, incluindo espaços. Detalhes de revisão e formatação serão acertados posteriormente junto à Secretaria Executiva da PBPD.
• Avaliação e/ou análises comparativas de políticas públicas no campo de política de drogas;
• Impactos e desdobra

A Plataformas, seguindo os objetivos da PBPD de qualificar o debate e promover o conhecimento científico, incentivará a sistematização e análise de dados originais a respeito de política de drogas por meio do oferecimento de bolsas. A Coordenação Científica da PBPD contemplará dois(uas) pesquisadores(as) com uma bolsa mensal de R$ 2.000, durante um período de 4 meses, para que atuem na coleta, sistematização e análise de dados específicos sobre temas relativos à política de drogas.
As instruções e detalhes para a inclusão são apresentadas a seguir:
1. Quem pode se inscrever?
Qualquer pesquisador(a) que resida no Brasil e que tenha título de mestre ou esteja cursando, pelo menos, um programa de pós-graduação.
2. Como devem ser as propostas?
A proposta deve apresentar o tema geral da pesquisa e/ou sistematização dos dados, seu recorte empírico –, quais os dados que serão apresentados – e a forma e/ou metodologia a ser empregada para sistematização e análise. As propostas devem ter, no máximo, 7.500 caracteres (com espaços).
A proposta também deve conter uma justificativa para o pedido da bolsa, um plano detalhado de trabalho para quatro meses (com cronograma de atuação semanal) e o currículo Lattes do(a) autor(a).
O trabalho de pesquisa pode ser feito a partir de dados de natureza local, regional ou nacional, sendo fundamental que tenha consistência metodológica e possa ser realizado no prazo estabelecido, de oferecido, de quatro meses. Ao longo do trabalho, o(a) bolsista deverá entregar três relatórios parciais para avaliação e orientação da Coordenação Científica.
3. Quais os temas que as pesquisas/artigos podem abordar?
A Plataformas está aberta a avaliar qualquer tema que os(as) pesquisadores(as) considerem relevante para o conhecimento no campo de política de drogas. Ainda assim, como forma de balizar os(as) autores(as) os temas prioritários da Plataformas são:para o conhecimento no campo de política de drogas. Ainda assim, como forma de balizar os(as) autores(as) os temas prioritários da Plataformas são:
• Atenção, cuidado, redução de danos e tratamento de pessoas que fazem uso ou uso problemático de drogas;
• Segurança, violência e encarceramento;
• Legislação e práticas do judiciário;
• Prevalência e padrões de uso de drogas;
• Fenômeno sociocultural do uso de drogas e sua relação com a política de drogas;
• Avaliação e/ou análises comparativas de políticas públicas no campo de política de drogas;
• Impactos e desdobramentos da política de drogas em populações e grupos sociais vulneráveis e/ou discriminados. A política de drogas e seus desdobramentos em populações e grupos sociais vulneráveis e/ou discriminados.

4. Como será a avaliação das propostas?
Na primeira fase, as propostas e os currículos serão analisados pela Coordenação Científica da PBPD, que avaliará sua viabilidade técnica e temporal e as qualificações do(a) candidato(a).
Os(as) candidatos(as) pré-aprovados serão convidados a participar de uma entrevista presencial, caso residam em São Paulo, ou virtual, caso residam em outros Estados.
Caso haja mais de dois(uas) candidatos(as) que apresentem propostas consideradas aptas, a bolsa será concedida às duas melhores propostas, avaliadas pelo nível de relevância e originalidade, além da excelência acadêmica.
5. Quando se inscrever?
As propostas devem ser enviadas até as 23h59 do dia 11 de setembro.
6. Como se inscrever?
As propostas devem ser enviadas em formato PDF para plataforma@pbpd.org.br
7. Qual é o prazo para o início e o fim de trabalho dos(as) candidatos(as) selecionados(as)?
Os(as) candidatos(as) selecionados(as) iniciarão seus trabalhos em outubro, devendo entregar o artigo finalizado para revisão até o dia 01 de fevereiro de 2017.
8. Qual o formato do artigo final?
Os artigos finais devem ter entre 30 e 50 mil caracteres, incluindo espaços e devem ser assinado exclusivamente pelos(as) pesquisadores(as) contemplados pela bolsa. Detalhes de revisão e formatação serão acertados posteriormente junto à Secretaria Executiva da PBPD.

A Plataformas, mantendo o compromisso da PBPD com a qualificação do debate e a promoção do conhecimento científico, está aberta a contribuições de qualquer pesquisador(a) interessado(a) em submeter um artigo original sobre temas relativos à política de drogas. Nessa primeira edição, até três artigos serão publicados e contemplados com um prêmio de R$ 2.000.
As instruções e detalhes para inscrever as propostas são apresentadas a seguir:
1. Quem pode se inscrever?
Qualquer pesquisador(a).
2. Como devem ser os artigos?
Os artigos devem ter entre 20 e 50 mil caracteres, incluindo espaços e bibliografia citada. Devem ser enviados em PDF, evitando o excesso de notas e mantendo-as no corpo do texto.
Os artigos podem ser assinados por até três pesquisadores(as), mas a premiação é dada ao artigo, tendo o(a) principal autor(a) como referência.
3. Quais os temas que os artigos devem abordar?
A Plataformas está aberta a avaliar todos os artigos que os(as) autores(as) considerem relevante para o conhecimento no campo de política de drogas. Ainda assim, os temas que interessam prioritariamente a Plataformas são:

• Atenção, cuidado, redução de danos e tratamento de pessoas que fazem uso ou uso problemático de drogas;
• Segurança, violência e encarceramento;
• Legislação e práticas do judiciário;
• Prevalência e padrões de uso de drogas;
• Fenômeno sociocultural do uso de drogas e sua relação com a política de drogas;
• Avaliação e/ou análises comparativas de políticas públicas no campo de política de drogas;
• Impactos e desdobramentos da política de drogas em populações e grupos sociais vulneráveis e/ou discriminados.

4. Como será a avaliação das propostas?
Na primeira fase, os artigos passarão por uma pré-análise da Coordenação Científica da PBPD, que avaliará sua originalidade e pertinência. Aqueles aprovados nessa fase, serão remetidos a dois(uas) pareceristas independentes, especialistas no campo temáticos da proposta – preferencialmente membros do Conselho Consultivo da PBPD –, para uma análise de mérito e revisão científica.
5. Quando se inscrever?
Para a primeira edição do prêmio, os artigos devem ser enviados até as 23h59 do dia 30 de outubro.

6. Como se inscrever?
Os artigos devem ser enviadas em formato PDF para plataforma@pbpd.org.br
7. Como e quando será a premiação?
Quando os artigos forem aprovados, revisados e editados pela Plataformas, o(a) autor(a) principal do artigo receberá uma premiação de R$ 2.000 e terá seu artigo publicado e divulgado.